Inteligência Socioambiental Estratégica da Indústria do Petróleo na Amazônia

Diário de Bordo da 4ª Excursão de 2004 - de 04 a 14 de dezembro de 2004.
Por Carlos Freitas

Embarcamos e saímos de Manaus, do Porto da Ceasa, às 19h do dia 04 de Dezembro. Da equipe do PIATAM éramos 23 pessoas, entre técnicos e pesquisadores. O Barco Felizares nos conduziu durante toda a excursão.

Navegamos à noite e chegamos à Ilha do Baixio no município de Iranduba antes do nascer do sol. Participaram dessa excursão pesquisadores de 8 áreas: Sociologia, Economia, Arqueologia, Limnologia, Ictiologia, Botânica, Doenças Tropicais e Entomologia.

Os trabalhos efetivamente tiveram início com o desenvolvimento das atividades de campo de cada área. No início da manhã, às 6:00 horas, em cada comunidade visitada, as redes de pesca foram colocadas para a coleta de espécimes. Em seguida, começavam as amostragens de água (limnologia) para determinação de parâmetros físico-químicos e análise bacteriológica. Foram efetuadas amostragens do plâncton para verificar a ocorrência e estimar a abundância de larvas de peixes. Durante todo os dias as equipes seguiam com seus trabalhos, sempre buscando interagir de forma amistosa com os ribeirinhos.

Estamos no segundo dia de nossa excursão pelo Rio Solimões, hoje é dia 06 de dezembro e já estamos na Costa do Pesqueiro, no Município de Manacapuru.

A primeira equipe a ir para campo foi a da Botânica que deu continuidade ao trabalho de caracterização da vegetação no entorno das comunidades ribeirinhas, esse trabalho vem sendo desenvolvido à duas excursões. Após a coleta e identificação, o material é prensado para estudos posteriores em laboratórios. Os pesquisadores conversam com a população para detectar que tipos de espécies poderão encontrar ao entrar na mata.

Os dias estão passando e a cada comunidade, encontramos algo novo, que não havíamos detectado na excursão passada. Hoje, 09/12, estamos na Comunidade Santo Antônio/Anori. Os pesquisadores da área de Doenças Tropicais efetuaram amostragens nos corpos d’água situados nas proximidades das comunidades a fim de estimar a abundância de larvas de mosquitos transmissores de malária. O PIATAM já tem catalogado cerca de 29 espécies de anofelinos (carapanã), coletadas e identificadas durante nossas viagens pelo rio Solimões. No Rio Solimões o mosquito da malária não é muito encontrado. O Lago Coari é onde se tem uma incidência maior da espécie, pois o mosquito é característico de águas escuras, chegaremos lá nos próximos dias.

Estamos chegando à reta final de nossa excursão, chegamos a Lauro Sodré em 12/12. Aqui foi localizado, nas primeiras excursões do PIATAM, um grande sítio arqueológico com muitas ossadas e peças de cerâmicas conservadas deixadas há milhares de anos pelos antigos habitantes da Amazônia. A equipe de Arqueologia prossegue no trabalho de identificação e caracterização de sítios arqueológicos. O entomólogo deu continuidade ao estudo da fauna entomológica associada às árvores frutíferas existentes. Para capturar os insetos, o pesquisador prepara armadilhas com suco de maracujá para atrair uma espécie de mosca que só existe em lugares onde houve uma grande redução da floresta. As capturas efetuadas servem como bioindicador (indicador da biodiversidade).

Nesta excursão, as equipes de Sociologia e Economia desenvolveram atividades especiais, com a participação ativa de crianças e adultos das comunidades. O mapa cognitivo foi feito em várias comunidades e é impressionante poder visualizar os espaços de cada comunidade através dos olhos de seus moradores.

Hoje, 14/12, estamos no Lago Aruã, é o último local a ser visitado e amanhã estaremos fazendo o caminho de volta à Manaus. Na Bagagem, muito material para ser analisado além das novas experiências que, mesmo estando acostumados com as viagens, sempre nos surpreendem.





Veja também
Diário de bordo do pesquisador Antonio José Inhamuns
Diário de bordo da pesquisadora Katia Cavalcante
Diário de bordo do pesquisador Carlos Freitas

 

AltSoluções Interativas